Dom Hélder Câmara

Dom Hélder Câmara

Nasceu Hélder Pessoa Câmara, na cidade de Fortaleza, Brasil, no dia 07 de fevereiro de 1909. A sua família era simples e católica, seus pais tiveram treze filhos e ele era o décimo-primeiro. Sua vocação religiosa despontou na tenra idade, por influência da Escola dos Padres Lazaristas de Fortaleza, também conhecida como o Seminário da Prainha de São José.

Aos catorze anos de idade ingressou naquele seminário, onde estudou filosofia e teologia. Foi tão brilhante, que a Santa Sé, autorizou sua ordenação sacerdotal, em 1931. No dia da Assunção de Nossa Senhora, Hélder foi consagrado sacerdote e celebrou sua primeira missa no dia seguinte, com apenas vinte e dois anos de idade. Logo foi nomeado diretor do Departamento de Educação do Estado do Ceará. Cinco anos depois, foi transferido para o Rio de Janeiro, onde morou e trabalhou por vinte e oito anos. Em 1952, o Conselho Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, o elegeu Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro. Exerceu o cargo de Secretário Geral da CNBB, implantou os ideais da Organização, promovendo interação entre os bispos do Brasil, participou de congressos para atualização e adaptação da Igreja Católica aos tempos modernos, sobretudo integrando a Igreja na luta em defesa da justiça e cidadania.

Dom Hélder Câmara foi nomeado Arcebispo de Olinda e Recife, em 1964, ficou no cargo por vinte anos. Nesta época o Brasil vivia em pleno domínio da ditadura militar. Como sacerdote representante da Igreja Católica, Dom Hélder pôde levantar a sua voz em defesa da comunidade sem vez e sem voz na escala social. Teve como ideário nas suas pregações a luta pela fé cristã e a caridade aos pobres e oprimidos. Passou a sofrer retaliações e perseguições, ficando sem ter acesso à mídia e impedido de divulgar suas mensagens durante todo o período ditatorial. Apesar de tudo, a personalidade de Dom Hélder ganhava, cada vez mais, dimensão no Brasil e no exterior.

Ele criou projetos e organizações pastorais, destinadas a atender Às comunidades do Nordeste, que viviam em situação de miséria. No final do século XX, com o apoio de instituições filantrópicas, lançou oficialmente a campanha "Ano 2000 Sem Miséria". Para Dom Hélder era constrangedor que, às vésperas do segundo milênio do nascimento de Jesus Cristo, milhares de pessoas ainda vivessem na total miséria.

Dom Hélder escreveu diversos livros que foram traduzidos em mais de trinta idiomas. Recebeu cerca de seiscentas condecorações e trinta e dois títulos de Doutor Honoris Causa.

Diversas cidades brasileiras concederam-lhe o título de cidadão honorário. No dia 27 de agosto de 1999, o Arcebispo Dom Hélder Câmara morreu. Ele será lembrado na história da Igreja Católica, como um apóstolo, que soube honrar o Brasil e usar seu carisma de defensor da paz e da justiça, para os filhos de Deus.