Sérvulo Esmeraldo

Sérvulo Esmeraldo

Sérvulo Esmeraldo nasceu em 27 de fevereiro de 1929, na cidade do Crato. Filho de dono de engenho, Sérvulo veio ao mundo, como ele próprio afirma, em berço de ouro. Por causa disso teve oportunidades que outros não tiveram.

A casa onde morou, quando criança, era cheia de livros - alguns deles em português; outros, porém, em francês. Tácito, um historiador romano do tempo de Vespasiano, estava lá. Mas foi por causa de Jorge Amado, considerado um comunista perigoso no tempo de Getúlio Vargas, que Sérvulo foi expulso do colégio onde estudava na cidade onde nasceu.

Ajudado pela avó, parente do João Brígido, Sérvulo conseguiu se transferir para o Liceu do Ceará, em Fortaleza.

Na capital cearense, uma cidade bem maior do que aquela onde transformava rodas d´água quase em objeto de arte, Sérvulo manteve contato com o pessoal da SCAP - Sociedade Cearense de Artes Plásticas - e do CLÃ - Centro de Literatura e Arte. Contato importante, segundo ele, porque foi através do CLÃ e da SCAP que ampliou, consideravelmente, a sua visão de mundo.

Em 1951, partiu para São Paulo; seis anos depois estava em Paris. Ali, depois de trabalhar em vários ateliês e na editora de gravura mais importante do mundo ocidental na época, a L´Ouvre Graveé, Sérvulo deu início ao que ele chamou de ´excitáveis´, que são caixinhas de acrílico no interior das quais o autor de Femme Bateau (capa deste livro) põe elementos articulados que, friccionados, se movimentam em várias direções.

Sérvulo também manteve contato com pintores importantes, em Paris, ao mesmo tempo em que estudou lógica na Escola Superior de Belas-Artes e aprimorou, consideravelmente, seu talento como artista plástico.

servulo esmeraldo - quadro 1
servulo esmeraldo - quadro 2
servulo esmeraldo - quadro 3